segunda-feira, 11 de agosto de 2008

VARIANTE LINGÜÍSTICA É UMA COISA E ERRO DE PORTUGUÊS É OUTRA

Depois que Jânio Quadros venceu a eleição de 1954 para o governo paulista, com 660.264 votos de diferença, contra 641.960, dados a Ademar de Barros, quatro prostitutas, vítimas da violência de um grupo de policiais, foram apresentar as suas queixas ao novo governador. Elas lhe disseram:
-Nóis semo prostituta.
Ex-professor de português do Colégio Dante Alighieri, o político nascido em Mato Grosso protestou:
-“Nóis semo prostituta”, não, o correto é “nós somos prostitutas”.
Arregalando os olhos, muito espantadas, as quatro mulheres quiseram saber:
-Puxa, intão o sinhor também é?
Vermelho, indignado, Jânio não se conteve:
-Retirem-se imediatamente!
O episódio é anedota, mas aqui ficou bem claro que Jânio Quadros corrigiu a frase errada das quatro mulheres. Se esta frase fosse uma variante lingüística, ele não as corrigiria. Sim, porque variante lingüística é uma coisa e erro de português é outra.
Alguns professores querem ser “modernos”, “avançados”, e embora consigam ver os clamorosos solecismos de certas frases, preferem aceitá-los. Tal atitude faz com que eles se tornem mais simpáticos, junto dos seus alunos. É uma estratégia.
Discordo da senhora Thaís Nicoleti de Camargo, consul-tora de língua portuguesa da “Folha de S.Paulo”. Ela sustentou, na edição do dia 31 de outubro de 2002 desse jornal:
“O que se considera ‘erro’, entretanto, depende do padrão tomado como referência e está longe de ser uma questão objetiva”.
A senhora Thaís reprova quem corrige as expressões “nós vai lá” e “os menino”. Reprova e ainda sentencia:
“Esse comportamento (o de corrigir estas expressões) não revela mais que o desejo de afirmar uma suposta superioridade sobre os demais num mundo de desigualdades... não falta quem se dê o direito de discriminar aqueles que ‘erram’”...
Vamos ser objetivos. Um erro de português numa frase é erro mesmo. Corrigi-lo não é “discriminar” quem errou. O professor Pasquale Cipro Neto, colaborador da “Folha”, vive corrigindo na sua seção as frases com erros de português dos textos dos seus leitores. Eu pergunto: ele os discrimina? Sérgio Rodrigues, na seção “Língua Viva” do “Jornal do Brasil”, publicada nas edições de domingo, também adota esse método. Volto a perguntar: ele está “discriminando” os seus leitores? Os dois desejam “afirmar uma suposta superioridade sobre os demais num mundo de desigualdades”? Não, senhora Thaís Nicoleti de Camargo, tanto o Pasquale como o Sérgio Rodrigues apenas pretendem, com singeleza e modéstia, ajudar o povo brasileiro a falar de maneira correta. Eles não aplaudem as pessoas que se expressam assim:
-Nóis vai lá nas casa dus homi pra elis integrá us livru, as roupa i us papel.
-As moça i ais sinhora fórum gastá us dinheiru dela nas loja.
Estas duas frases não são variantes lingüísticas. Construções desse tipo mostram apenas a ignorância, a falta de cultura.

Um comentário:

garrafa e mar disse...

Concordo, mas diante de um texto com erros de português e cujo o sentido eu consigo captar; devo agir como?