domingo, 6 de dezembro de 2015

Paulo Coelho is a swindler superior to all of these!

        Born in 1785, French Anthelme Collet visited, in 1812, the Spanish region of Valencia with the fake title, name, and position of Count Carlos Alexandre de Borromeu, general inspector of Napoleon Bonaparte’s army in Iberian Peninsula. Displaying several medals on his chest, he presented a false document forged by himself. He said he was required to reorganize the army in Cataluña. Majestic, with airs and graces, the swindler was delighted to see the troops parading in homage to him. Before leaving Valencia, he got hold of twenty-thousand francs, requested from the regiment’s safe.
        In Avignon, the “city of popes”, the fraudster managed to put his hands on one hundred and fifteen thousand francs, recurring to the same process.
        Anthelme Collet, always boasting the title of count, fake names and positions, could enjoy the luxury of having honor guards and listened to the epic sounds of military bands, and people’s praises.
        In Montpellier, the city of the notorious university and the splendid gothic cathedral, he presided a feast in his homage, in which the applauses echoed as thunders. All of a sudden, a police force entered the place and arrested him. General astonishment. Taken to the city hall, the trickster stayed in the kitchen, instead of being arrested at a cell, and did not think twice before escaping as a cook.
        In his Memories, written in prison, this deceiver tells he had been a soldier, marquis, Army officer, typographer, monsignor, Napolitano priest, and even a police officer from Dordogne, Southeastern France department.
        Convicted to serve twenty years of compulsory labor, Anthelme Collet died in 1840, during Louis Philippe time, the “bourgeois king”.

                                                                   *  *  *

        Dear reader, now I will introduce you to charlatan Don Jaime Addison de Peralta-Reavis, who in the year of 1888, called himself Baron of Arizonaca and Caballero de Los Colorados. In fact, his name was Jim Reavis. He showed up in Phoenix, capital city of the American state of Arizona. He claimed to be the legitimate owner of a land measuring ten thousand acres, where farms, copper, gold, and silver mines, and Southern Pacific railways were located.
        This rogue, former coachman in Missouri, eager to piss in gold chamber pot, produced fake documents that revealed simply this: a vast extension of land had been donated to his ancestors in 1748, by King Ferdinand VI of Spain. The rascal was aware that according to the Gadsden Agreement and the treatise of Guadalupe Hidalgo, the United States’ government was obliged to acknowledge the property right and bonds of the acquired territories.
        Master at the art of documents falsification, the former coachman earned millions of dollars due to agreements to properties re-purchase. However, thanks to the efforts of the journalist Tom Weedin, from the journal Gazzette in Florence, Arizona State, the fraud was discovered. Jim Reavis, convicted, entered Santa Fe Penitentiary in New Mexico State.
                                                *   *   *

        Admire, after Jim, the Scotsman Arthur Ferguson’s natural guile, gifted with an ingenious ability to convince the incautious. He was, in a certain sunny morning in the 1920’s, at Londoner Trafalgar Square, at a short distance from  Lord Nelson’s statue, placed over a 50 meter-high column. Then he saw a wealthy American from Idaho contemplating the statue. Arthur pretended to the square guide and lamented near the American man:
       “What a shame! This monument will have to be sold, along with the four lions made by sculptor Edwin Landseer, due to England’s debts!”
        He informed that the government had assigned him the uncomfortable mission of negotiating the sale of the most famous character of British navy’s statue.
        “For how much?” –inquired the millionaire.
       “Only six thousand pounds.” –the trickster answered with a sad expression.
        In an open way, the American asked him for priority. Ferguson said he would telephone his boss, in the sales department. He walked away, and when he was back, he assured:
       “The government agreed.”
       Before taking the simple man’s check, he handed him the name and address of the company in charge of disassembling and sending the statue to the United States.
        Short time later, the victim found out, through Scotland Yard, that he had been fooled…
        Arthur Ferguson made other victims in London: an American man paid him a thousand pounds for the Big Ben, the big bell from Westminster Palace, and a third one paid him two thousand pounds for the main building of British Monarchy, the Buckingham Palace.
        Afraid of being caught by Scotland Yard, Ferguson boarded to the United States in a hurry. In Washington, he rented to a cattle raiser for the period of 99 years, for one hundred thousand dollars, the White House. And at meeting an Australian man from Sidney, he offered to sell the Statue of Liberty, because the New York Port, he explained, had to be broadened and the monument removed. The guy accepts the deal. As the money coming from Australia took long to arrive, Ferguson got impatient, causing suspicion to the son of the kangaroos’ country.
        Arrested in 1930, the cheater served only five years in prison. He died in 1938.

                                                   *   *   *

        Rival to this Scotsman in the art of cheating, the false worker of French Ministry responsible for the preservation of public buildings, “count” Victor Lustig, born in Bohemia in 1890 and dead in 1947, he stimulated five scrap metal traders to “buy” the Eiffel Tower, 320 meters high. The swindler’s argument: it needed to be put down, because its preservation would be too expensive. The buyer’s advantage: the tower was made of ten thousand tons of excellent iron.
        André Poísson, a rich entrepreneur, “buys” the tower. The “count” grabs the check with the bulky amount and his suitcase filled with francs. Quickly, Victor Lustig cashes the check and runs away to Vienna, along with his accomplice, the thief Dan Collins. They were never caught…
                                                          *   *   *
        How about us, Brazilians? Have we got a swindler superior to all of these? Yes, really superior is Paulo Coelho, because none of the others could make it rain, the wind blow, and become invisible as Paulito Coelhito declared to be capable of, on an interview to Playboy magazine (issue 27, October 1992). Thousands of fools believe in this fib, and delight in it. A liar can always find, no matter where he goes, complete retards to admire him.

        Another superiority of our trickster: he has never been arrested, as it happened o Anthelme Collet, Dom Jaime Addison de Peralta-Reavis, and Arthur Ferguson… Wow! How lucky Paulito is!

segunda-feira, 12 de outubro de 2015

HITLER - RETRATO DE UMA TIRANIA

Caríssimo amigo Fernando Jorge,

Hitler retrato de uma tirania. Recomendo a todos indistintamente a imediata leitura desta biografia providencial e preventiva, pois parece que não  foram suficientes duas malditas guerras mundiais, onde não houve nem vencedores e nem vencidos. Mussolini e Hitler foram consequências de causas dos desastrosos fenômenos econômicos e sociais da comunidade internacional. Quanto aos aspectos étnicos foi o diplomata francês Arthur de Gobieau, (1816/1882), autor das ideias mirabolantes da pureza das raças Arianas no seu preconceituoso Ensaio sobre a desigualdade das raças humanas (1855),  que diga-se de passagem nunca escondeu em 1869 quando esteve no Brasil o seu desprezo aos aspectos étnicos e miscigenados da nossa  sociedade brasileira, comparando os  pardos a raças que julgava inferior, degenerada  e estéril, sendo seguido por um outro louco preconceituoso Huston Stewart Chamberlain, de origem Inglesa ( 1855/1927) na sua obra Os fundamentos do século XIX , de 1899. Esses escritos permearam indelevelmente a mente subliminar de Adolf Hitler, uma das poucas pessoas presentes no funeral de Chamberlain, em 1927.  Hitler encarnou o ódio, ressentimento, irresignação, inconformismo da derrocada e da espoliada Alemanha, oriunda do famigerado Tratado de Versalhes pela então sociedade das nações. Antes vimos à ditadura de partidos fascistas e nazistas, que geraram a ditadura individual de feras insanas, soberbas  e preconceituosas. Os comunistas liderados por um carniceiro “Stalim” queriam se assenhorarem de todo mundo. Até países que lograram ganhar a 1ª Guerra mundial não escaparam da derrocada econômica da então politica internacional. Tudo como se vê por atos praticados por inconsequente lideres de nações naquelas épocas de triste memorias. Nações essas cujas suas origens foram até de povos miscigenados apregoadores contra as desigualdades, intolerâncias e arautos das declarações dos direitos humanos e garantias fundamentais,  mas que na pratica só ficaram nos discursos. Ao final, Adolf Hitler afirmou categoricamente que o seu objetivo final após vencer a 2ª Guerra Mundial seria  unir-se a Inglaterra.   Antes o terrorismo e a tirania despótica e genocida eram personificados e um grupo ou em um determinado ditador populista. Hoje, como se vê os falsos defensores dos Direitos Universais da Pessoa Humana não aprenderam ou se esqueceram dos horrores e atrocidades do passado, onde guerras, destruição e ódio fizeram que os campos ao invés de dar pão dessem sangue, ossos de cadáveres e lagrimas. Outrossim, hoje em dia estamos correndo um perigo muito maior e  mais avassalador  diante do terrorismo moderno, armas nucleares, bioterrorismo, ciberterrorismo,  crimes contra o ecossistema  e o crime organizado internacional os quais já mostraram não terem fronteiras,  onde os autores,  determinados ou não, se tornam vitimas dos seus próprios atos atrozes, não havendo  a mínima possibilidade de responsabiliza-los pelos assassinatos, chacinas  e genocídios praticados por esses  suicidas. Hitler retrato de uma tirania é um alerta do perigo e das ameaças ao mundo globalizado e a própria vida da espécie humana no planeta, caso esses maus políticos, materialistas e fanfarrões não venham repensar a ética e façam de verdade uma justa relação econômica, social internacional entres as n
ações soberanas para uma solida e fraterna paz e justiça mundial. O bem maior é a vida. Lembrando que a fonte do direito e da justiça  é a pessoa humana. O direito e a justiça só existem por causa da vida e do respeito à dignidade da pessoa humana.


Do seu agradecido e sincero amigo

Dr. Marco Antonio Azkoul

sábado, 19 de setembro de 2015

O CEMITÉRIO DOS VELHACOS

Um comerciante de Pindamonhangaba afixou, à porta do seu estabelecimento, enorme quadro com di­versas sepulturas desenhadas. A tela chama-se "Cemi­tério dos Velhacos". À medida que os fregueses pouco habituados a saldarem suas dívidas vão se esquecendo de pagá-las, ele coloca, numa das covas, o nome do caloteiro.
-Esse método de "enterrar" os devedores relapsos - diz o comerciante - está surtindo ótimos efeitos.
O problema das dívidas é muito complexo, porque deparamos com casos especiais. Condenar, sistematicamente, qualquer fulano que não soluciona os seus compromis­sos econômicos, é ser rigoroso em demasia. Acusar, de modo indiscriminado, os credores, constitui outro erro. Afinal de contas, para tudo existe exceção. Estamos diante da vida como um sujeito que presencia ruidoso espetáculo de variedades, ora dramático, ora cômico.
Há um estado de espírito que merece o estudo dos psiquiatras: denomina-se obsessão pelas dívidas. Vultos eminentes padeceram dessa neurose.
O pavor aos credores provoca fugas rocambolescas. Alexandre Dumas, em apertos econômicos, refugiou-se na Bélgica, onde se avistou com Víctor Hugo. Era um exilado financeiro encontrando-se com um exilado político.
Charles Dickens, um dos grandes romancistas da Inglaterra, curtiu uma infância melancólica, escutando as ameaças e os impropérios dos agiotas que vinham cobrar contas do seu progenitor. Volta e meia os oficiais de justiça arrancavam um traste da casa de John Dickens. A fome era a única inquilina satisfeita no lar miserável. Por fim o pai de Dickens foi preso, e o filho, em tenra idade, teve de também prover o sustento da numerosa família, empregando-se numa fábrica de graxa.
E os habilíssimos estratagemas utilizados pelos devedores insolventes? Enumerá-los seria tarefa infindável. Limitar-me-ei a narrar um episódio quase ignorado.
Durante a Revolta da Armada, o advogado Lopo de Godefroi ajudava Floriano Peixoto nas investigações contra os insurretos. Certa manhã apareceu no gabinete e logo segredou ao Consolidador da República:     
-Marechal, acabo de averiguar que determinado capitalista fornece meios para fomentar a revolta.
Floriano, após saber o nome por extenso do acusado, ordenou a sua detenção imediata. O homem compareceu trêmulo, lívido, perante o sucessor de Deodoro:
-Senhor marechal - balbuciou - não conheço inimigo capaz de me caluniar, a não ser um: o advogado Lopo de Godefroi. Ele me assinou uma promissória de vários contos de réis, vencida exatamente no dia em que fui detido. Recusei-me a reformá-la. Talvez venha dele essa denúncia falsa. Seria uma forma de furtar-se ao compromisso.
Floriano ouviu com toda atenção o acusado. Apurando a verdade, não vacilou em mandar substituir, no cárcere, o inocente credor pelo causídico infame.
As dívidas são verrumas que Iaceram a consciência de alguns, deixando sulcos profundos, às vezes indelé­veis. Em outras ocasiões, conforme o devedor, pesam menos que uma pluma...
________________________________________________________


Escritor e jornalista, Fernando Jorge é autor do livro Se não fosse o Brasil, jamais Barack Obama teria nascido, cuja 6ª edição foi lançada pela Editora Novo Século

segunda-feira, 24 de agosto de 2015

O Percival e o Suplicy estão sendo humilhados!



Homem franco, enérgico, de personalidade forte, inimigo de qualquer tipo de hipocrisia, eu acuso: estão sendo humilhados o jornalista Percival de Souza e o ex-senador Eduardo Suplicy (PT-SP), o primeiro pelo Marcelo Resende, na TV Record, e o segundo pela presidenta Dilma Rousseff.
No programa Cidade Alerta, da referida emissora, o Marcelo não cessa de menosprezar o Percival. Além de não dar a este a merecida atenção, a oportunidade de opinar mais, o Marcelo o humilha volta e meia. Sentado numa cadeira de espaldar alto, que parece um trono, o veterano jornalista, após falar rapidamente, em poucos segundos, sobre qualquer fato apresentado no programa, ouve do Marcelo as seguintes palavras:
-Você está repetindo tudo o que eu disse!
Ou então escuta isto, em tom de escárnio:
-Acho que você está com febre.
Se o Marcelo Resende acolhe o juízo do Percival, ele costuma perguntar:
-Você tomou algum remédio?
É como se o cérebro do jornalista, por ser débil, precise com urgência de uma injeção, a fim de poder funcionar a contento...
Frequentes vezes o Marcelo Resende indaga:
-Por que você balança tanto o pé?
E acrescenta:
-Pare de balançar o pé!
A cara do Percival, em tais ocasiões, exibe o seu constrangimento. Ele procura sorrir, disfarçar, mas a humilhação se torna bem visível. Em suma, o Percival de Souza, no programa Cidade Alerta, apresentado quase todos os dias, a partir das 17 horas, é menosprezado, ridicularizado, zombado, ofendido pelo Marcelo Resende.
Um amigo meu comentou:
-Fernando, talvez isto que vem acontecendo é combinado.
Mas se é combinado, não deixa de ser humilhação, nojenta falta de respeito a um jornalista experiente, de talento, várias vezes premiado, professor universitário, ex-comentarista da TV Globo, um dos fundadores do Jornal da Tarde, autor de dez livros valiosos, entre os quais destaco O crime da rua Cuba, Eu, o cabo Anselmo, Autópsia do medo – Vida e morte do delegado Sérgio Paranhos Fleury.
Percival: largue o programa Cidade Alerta, não aceite essas humilhações, mande às favas o Marcelo Resende. Primeiro defenda o seu amor próprio. Você engole as ofensas, as grosserias do Marcelo, porque o programa dele é em rede nacional de televisão. No entanto não vale a pena ficar conhecido no Brasil inteiro às custas do aviltamento da sua pessoa. É um preço muito alto.
Além disso, Percival, você já é idoso, é um pré-cadáver como eu, pois nasceu em 1943, tem mais de 70 anos. Envelheça com brio, com dignidade!

*       *      *

Vejam a humilhação sofrida pelo Eduardo Suplicy.
Segundo a Folha de S.Paulo, após dois anos de espera, a presidenta Dilma Rousseff desmarcou uma reunião com o ex-senador, atual secretário de Direitos Humanos da Prefeitura de São Paulo. E o mesmo jornal salienta: Suplicy havia enviado 19 cartas à presidenta, desde junho de 2013. Agora ele prepara a vigésima carta. O ex-marido da Marta declarou:
-Eu já tinha contado para meus amigos, familiares e alunos que a presidenta me receberia. Estou entristecido.
Suplicy, você não está entristecido, você está humilhado. Há dois anos tenta falar com a Dilma sobre o seu projeto da Renda Básica de Cidadania. Dois anos, Suplicy, dois anos! Você enviou 19 cartas a Dilma, e nada! E quer remeter mais uma! Suplicy, por favor, tenha vergonha na cara, rompa com a presidenta, mande-a lamber sabão. Grave na sua memória esta frase do capítulo XLIV do Don Quijote de Cervantes:
“Mais vale vergonha na cara que desonra no coração”.
(Mas vale vergüenza en cara, que mancilla en el corazón)
Dentro em breve, Suplicy, se Deus permitir, você chegará aos 80 anos. Portanto deixe de se humilhar, de se rebaixar, não se emporcalhe, não cubra de merda a sua velhice, para ela não ficar fedendo.
E Dilma, quanta indelicadeza, quanto desprezo! Por que se mostrar tão difícil com esse homem desprovido de personalidade forte? O cargo que a senhora ocupa é efêmero, daqui a pouco deixará de ser presidenta, o tempo – fera voraz – logo vai comer o seu mandato como um tigre faminto devora o filhote de uma zebra.
_______________________

Escritor e jornalista, Fernando Jorge é autor do livro Se não fosse o Brasil, jamais Barack Obama teria nascido, cuja 6ª edição foi lançada pela Editora Novo Século