quinta-feira, 26 de junho de 2008

PAULO COELHO DISSE QUE É CAPAZ DE FAZER CHOVER E VENTAR!

Sou um escritor e jornalista que detesta a mentira, a calúnia, a hipocrisia, a traição. Não faço ataques de natureza pessoal, nunca difamei os meus semelhantes. Quando critico, sempre me escoro em fa­tos, em provas. Tudo o que digo, posso provar documentadamente. Agi assim no meu livro “Vida e obra do plagiário Paulo Francis”, já na segunda edi­ção e lançado pela Geração Editorial, onde mostro que o Francis era igno­rante, gatuno literário, racista (odiava os nordestinos, os negros, os ju­deus, os árabes, os portugueses, os japoneses), péssimo jornalista (não sa­bia escrever de modo simples e correto), e mau-caráter, pois tinha o hábito de achincalhar as pessoas, cobrindo-as de insultos pesadíssimos.
A jornalista Irene Solano Vianna, ex-editora da “Folha de S. Paulo”, apoiou-me nessa crítica, mas o Alberto Dines afirmou, num depoimento concedido ao “Correio Popular” de Campinas, que o meu livro so­bre o Paulo Francis, e um processo da Petrobrás contra ele, na Justiça norte-americana, causaram a sua morte. Se isto é verdade, eu mereço apare­cer no “Guinnes”, o livro dos recordes, porque me tornei, na história do mundo, o pai do “primeiro livro assassino”. Im-pressionante! Sou o pai de um “livro homicida”, de um livro que matou o Francis. Gostaria de saber: o meu livro deve ser condenado à morte ou à prisão perpétua? Além disso de­vo salientar: se o meu livro matou o Paulo Francis, o Alberto Dines é meu cumplice, porque me inspirei nos seus textos publicados na “Folha de S. Paulo”, na época em que ele, aos domingos, criticava sem piedade as matérias de outros jornalistas. Dines não os poupava. Segui o seu método. A rigor, por conseguinte, o jornalista Alberto Dines me ajudou a escrever esta minha obra sobre o Paulo Francis...
Há pouco tempo declarei, num programa de televisão, que o Paulo Coelho é um loroteiro, pois ele garantiu ser capaz de fazer chover e ventar. Após dizer isto,acrescentei:
- O Lula deve logo mandar contratá-lo! Está solucionado o problema da seca no Nordeste! Basta levar o autor de “O alquimista” até lá e pronto, milhares de trombas d’água vão cair no solo esturricado das caatingas!
Paulo Coelho me desmentiu. Na sua opinião, eu agi como um mentiroso, um caluniador. Ele sustentou:
- Nunca disse que sou capaz de fazer chover e ventar!
Perdeu a memória, Paulo Coelho? Esqueceu-se do depoimento que você deu à “Playboy”, publicado na edição de outubro de 1992 dessa revista? Consulte o número 207 da “Playboy” e leia esta sua afirma­tiva, na página 30:
“Sei abrir buraco em nuvem, fazer chover...”
Na mencionada página 30, há a seguinte pergunta da re­vista à sua pessoa:
“- Em ‘O Diário de um Mago’ você conseguiu fazer o vento soprar. Cá para nós, isso é verdade mesmo?”
Leia a sua resposta, Paulo Coelho:
“- Quanto ao vento, é verdade, sim. E não é tão difícil.”
Então, Paulo Coelho, quem é o mentiroso? Sou eu ou você? Por amor de Deus, não me desminta! Tome muito cuidado, querer contestar-me é mau negócio. Repito, quando critico, sempre me escoro em fatos, em provas.


Escritor e jornalista, Fernando Jorge é autor de “O Grande Líder”,
ro­mance satírico contra os nossos políticos corruptos, cuja 5ª edição foi lançada pela Geração Editorial.

4 comentários:

CAntonio disse...

Caro Fernando Jorge,


Lembrei-me de outro "Mágico", este da política, tão pródiga em criar mágicos que nos surrupiam os cofres diariamente: Francisco Rossi.

Numa entrevista para a Revista da Folha, certa vez, quando candidato a prefeito de São Paulo, o Francisco Rossi declarou que era capaz de fazer chover e - esse sim seria o nosso prefeito dos sonhos - acabar com os congestionamentos.

Certa vez, segundo ele, dirigindo seu carro pela marginal, sentiu que o trânsito pesado o atrasaria para um compromisso; fez um sinal - sabe-se lá para quem - e, como o Moisés biblico, ele também abriu aquele mar de veículos à sua frente.

Como diria meu avô, mesmo ouvindo bobagens devemos agradecer a Deus pela audição.

GrandAbraço,

garrafa e mar disse...

Apenas gostaria de dar boas vindas.

Demorei e perdi a honra de ser o primeiro a comentar aqui. (risos)

Mantenha o seu estilo, o seu jeito, mas lembre que nos blogs geralmente temos textos curtos e "informais" também.

Abraços!

sidney borges disse...

Fazer ventar tinha serventia na época das caravelas. Estivesse o "Mago" a bordo de uma das naus da frota de Cabral e o gigante do berço esplêndido ainda estaria por ser descoberto. Com os problemas energéticos que há, quem sabe o mestre de Éolo possa dar sentido à sua magia, produzindo ventos capazes de mover moinhos. Enfim, quem vende 60 milhões de livros merece ser observado. Algum tipo de mágica há.

Aldo Della Monica disse...

Paulo Coelho, no máximo, solta ventosidades anais e, vez em quando, sai um livro junto